Logotipo Allameda
Home Page Quem Somos Serviços Cases Clientes Contatos
 
 
19/04/2018
Do aço de Volta Redonda nasce o hip hop do DMRap 710

Conhecida como  "Cidade do Aço", por abrigar a Companhia Siderúrgica Nacional, o município de Volta Redonda tem visto nascer, e se sobrepor à alcunha de polo industrial fluminense, um efervescente movimento cultural que tem revelado bandas que navegam por entre as caixas de som dos PCs e os fones de ouvidos dos cerca de 300 mil habitantes do município. É o caso do grupo de hip hop DM 710 (quem diria que do aço também nasce música, não é mesmo?), que se prepara para o lançamento do álbum de estreia, após alguns singles bem sucedidos nos meios independentes.

O trabalho está em fase de produção, com uma particularidade: são sete músicas a serem lançadas em doses homeopáticas: uma a cada mês, algumas com videoclipes e outras com lyric vídeos. A primeira canção chama-se ‘A Chave”’ e já está disponível em https://youtu.be/j0dOKZRp69U).  

As letras do novo álbum trazem referências literárias, cinematográficas e políticas – referências estas absorvidas pelo viés da cultura pop que, por sua vez, desmontam padrões através da dura poesia que permeia a conturbada relação proletariado e riqueza/mais-valia e diferenças de oportunidades e modos de vida – sempre presentes na temática rapper.

Essa, aliás, é uma realidade bem conhecida pelos quatro amigos de infância que se conheceram no bairro/comunidade de São Geraldo e que, em 2015, resolveram criar o DMRap. Nicholas, Ruan, Fábio e Felipe, mais representados por seus apelidos rappers, respectivamente BH, MK, FT e Pigmeu, começaram de forma despretensiosa, quase uma brincadeira, escrevendo algumas letras baseadas nas mensagens e na vivência que gostariam de expôr - espécie de catarse que acabou levando a gravações em estúdio, sob a tutela do produtor Beatmaker Filemon.  

O som visceral e as letras fortes cantadas pelo quarteto, que na banda atuam como vocalistas e compositores, chamaram a atenção e os rapazes passaram a se apresentar em pequenas apresentações pelas comunidades da cidade. Pegaram a estrada, chegaram a outras regiões do Rio de Janeiro e abriram shows para grupos mais conhecidos no meio rapper.  

Com a experiência e o amadurecimento, o DM710 passou a entender o rap como missão – e o que antes era quase um passatempo acabou tornando-se meio de vida. “Foi muito importante porque nos deu a consciência do rap e do hip hop como importantes ferramentas de chamamento e modificação social, capazes de influenciar pessoas e promover mudanças positivas em suas vidas”, diz Nicholas BH. “O nome da banda, DM, representa isso”, diz ele. “Além de representar a praça Domingos de Maia, onde nasceu o grupo, é uma sigla para Direta Mensagem, que é o que pretendemos passar pra galera com a nossa música”.

Mas e o 710?

“Ah, essa é uma referência bem mais sentimental”, revela Nicholas, que explica que 710 é uma junção dos números do ónibus São Geraldo, que remete à infância dos quatro e é também uma tag usada há muito tempo pela antiga geração de MCs e de grafiteiros do bairro onde Nicholas, Ruan, Fábio e Felipe cresceram.

“Agora, depois de cinco anos de estrada e mais de 20 e tantos outros muito bem vividos como cidadãos proletários, temos muito a dizer no novo álbum. Chegou a hora de estourar nosso som para o mundo, em forma de revolução musical”, diz Nicholas.

O lançamento do álbum começa em abril, abrindo as músicas uma a uma, e mensalmente, começando com `A Chave` e seguindo por mais seis meses. O projeto conta ainda um cronograma de apresentações que se inicia em abril - logo de cara fazendo abertura para o show do lendário Armandinho, em Volta Redonda, e de uma programação já agendada em casas de shows e festas a partir de maio em São Paulo.

Para curtir ‘A Chave’, primeiro single de 2018, acesse https://youtu.be/j0dOKZRp69U

Também dá para ouvir faixas de trabalhos anteriores do MDRap 710 em https://www.youtube.com/watch?v=jJa5vT47LNIhttps://www.youtube.com/watch?v=8VGSFqulRCQ e https://www.youtube.com/watch?v=fqxmPGrnFgk

Nas mídias sociais, o grupo está em https://www.facebook.com/DmRap710  e www.instagram.com/dm.710

DMRap 710: quem é quem
Nicholas (BH): 21 anos, natural de Salvador, mudou aos 8 anos para o bairro São Geraldo, onde fui criado. Desde pequeno ouvia RAP  e cantores como Charlie Brown, uma de suas principais influências. Começou a escrever letras no caderno como forma de expressão, desabafo e alívio.

Ruan (MK): 22anos, natural de Volta Redonda, conheceu a música ainda novo cantando em karaokês, incentivado pelo pai. Em 2009 fez seu primeiro som funk, com produção caseira..Em 2010 gravou outra música e não parou mais.

Fabio (FT) : Mais conhecido como "Tissi" ou "FT", tem 21 anos e é natural de Volta Redonda/RJ e criado no bairro São Geraldo.Conheceu o rap através de alguns discos emprestados por um primo e começou a arristar algumas letras e beats, até que começou a gravar em estúdio. Conheceu a ‘Roda de Rima de Volta Redonda’ (encontro de rappers, grafiteiros e mobilizadores da cultura urbana que agita a cena cultural alternativa de Volta Redonda desde 2012) e passou a participar de batalhas de rap.

Felipe (Pigmeu): 23, estudante de psicologia à noite e vendedor de loja durante o dia, é conhecido como ‘Pigmeu’. É natural de Voltta Redonda e `cria ` da comunidade São Geraldo. Conheceu o rap através da família mas só passou a fazer música aos 13/14 anos, quando um professor de literatura, que também é rapper, o incentivou.  “Sempre escrevi como forma de comunicação com o mundo exterior”, diz Felipe.


Compartilhar



Retornar
 
 
 
Artigos
Artigos de Clientes de Allameda, especialistas em várias áreas. A republicação é livre.
Releases
Acesso a todos os press-releases e informações chave de nossos clientes.
Fotos em alta
Fotos de produtos, executivos e instalações de clientes de assessoria de imprensa.

ALLAMEDA.COM R Dr Rafael Correia 65 Cjto 4 Vila Romana | São Paulo | +55.11.3926-5580

powered by Fábrica de Tempo